Information literacy as a form of decolonial and intercultural pedagogy: building meanings
[Liinc em Revista; Vol. 17 No. 2 (2021): Decoloniality and Information Science: dialogical pathways; e5750]
Competência em informação como forma de pedagogia decolonial e intercultural: construindo significados

Information literacy as a form of decolonial and intercultural pedagogy: building meanings

Resumo: A competência em informação diz respeito, em síntese, à aprendizagem contínua, sendo uma forma de autoconsciência, socialização autoguiada ou de autodenominação. É uma ferramenta que pode levar ao empoderamento, à autoexpressão e ao diálogo intercultural dos cidadãos. No entanto, dependendo da natureza do terreno social, a competência em informação pode servir a propósitos distintos dos que se esperam em sua função social. Isso porque, ao considerar a informação como mecanismo de poder, podem-se constituir práticas opressivas ou libertadoras às minorias sociais, em especial às populações latino-americanas, considerando suas diversidades culturais, sociais e históricas. O objetivo geral do artigo, dito isto, é apresentar os pressupostos teóricos para a construção de uma competência em informação “subversiva” aos padrões hegemônicos colonizadores, respaldado pela pedagogia decolonial e pela interculturalidade, buscando, assim, responder a seguinte questão: quais pressupostos são necessários para a edificação de uma competência em informação “subversiva”? Metodologicamente, a pesquisa que resultou neste artigo é exploratória, qualitativa e bibliográfica, com cunho ensaístico. O principal resultado se pauta na ratificação do fazer a competência em informação como fazeres-outros, expandindo as formas de discutir, de ensinar e de assimilar as múltiplas formas possíveis dessa metacompetência. Conclui-se que é preciso assumir tal competência como metodologia(s) e ação(es) emergente(s) em contextos de marginalização, subalternização, luta, reexistência e resistência, contribuindo com práticas insurgentes de resistir, (re)existir e (re)viver, que possibilitam modos muito diversos de ser, existir, pensar, conhecer, sentir, ser e conviver – ou seja, como práxis fronteiriça que afronta a colonialidade do poder e as suas práticas pedagógicas

Palavras-chave: Competência em Informação. Pensamento Decolonial. Pedagogia Decolonial. Interculturalidade.



Abstract: Information literacy refers, in summary, to continuous learning, being a form of self-awareness, self-guided socialization or self-denomination. It is a tool that can lead to citizens’ empowerment, self-expression and intercultural dialogue. However, depending on the nature of the social terrain, such literacy can serve purposes different from those expected in its social function. The general objective of the article is to present the theoretical assumptions for the construction of a “subversive” information literacy to the colonizing hegemonic standards, supported by decolonial pedagogy and interculturality, thus seeking to answer the following question: which assumptions are necessary for building a “subversive” information literacy? Methodologically, the research that resulted in this article is exploratory, qualitative and bibliographic, with an essayistic nature. The main result is based on the ratification of making information literacy as do-others, expanding the ways of discussing, teaching and assimilating the multiple possible forms of this metaliteracy. It is concluded that it is necessary to assume such literacy as methodology(s) and emerging action(s) in contexts of marginalization, subordination, struggle, reexistence and resistance, contributing to insurgent practices of resisting, (re)existing and (re)living, which make possible very different ways of being, existing, thinking, knowing, feeling, being and living together – that is, as borderline praxis that affront the coloniality of power and its pedagogical practices

Keywords: Portug.



Como citar
RIGHETTO, G. G.; KARPINSKI, C.; VITORINO, E. V. Competência em informação como forma de pedagogia decolonial e intercultural: construindo significados. Liinc em revista, v. 17, 2021. DOI: 10.18617/liinc.v17i2.5750 Acesso em: 03 out. 2022.

Compartilhe
Plum X Metrics
Refs
46
NLP

Referências

proprietyvalue
DescriptorCompetência em informação como forma de pedagogia decolonial e intercultural: construindo significados
RIGHETTO, Guilherme Goulart; KARPINSKI, Cezar; VITORINO, Elizete Vieira
Liinc em revista, v. 17, 2021. () (pt-BR) 3
Identificadorhttp://revista.ibict.br/liinc/article/view/5750 (pt-BR) 3
IdentificadorDOI: 10.18617/liinc.v17i2.5750 (pt-BR) 3
TitleCompetência em informação como forma de pedagogia decolonial e intercultural: construindo significados (pt-BR) 3
TitleInformation literacy as a form of decolonial and intercultural pedagogy: building meanings (en) 3
AuthorRIGHETTO, Guilherme Goulart (pt-BR) 1
AuthorKARPINSKI, Cezar (pt-BR) 1
AuthorVITORINO, Elizete Vieira (pt-BR) 1
Access Linkhttp://revista.ibict.br/liinc/article/view/5750/5390 (pt-BR) 3
IssueLiinc em revista, v. 17, 2021. (pt-BR) 2
Nome da PulicaçãoLiinc em revista (pt-BR) 1
Sessão () 3
Disponibilizado2021-11-30 (pt-BR) 1
hasAbstractA competência em informação diz respeito, em síntese, à aprendizagem contínua, sendo uma forma de autoconsciência, socialização autoguiada ou de autodenominação. É uma ferramenta que pode levar ao empoderamento, à autoexpressão e ao diálogo intercultural dos cidadãos. No entanto, dependendo da natureza do terreno social, a competência em informação pode servir a propósitos distintos dos que se esperam em sua função social. Isso porque, ao considerar a informação como mecanismo de poder, podem-se constituir práticas opressivas ou libertadoras às minorias sociais, em especial às populações latino-americanas, considerando suas diversidades culturais, sociais e históricas. O objetivo geral do artigo, dito isto, é apresentar os pressupostos teóricos para a construção de uma competência em informação “subversiva” aos padrões hegemônicos colonizadores, respaldado pela pedagogia decolonial e pela interculturalidade, buscando, assim, responder a seguinte questão: quais pressupostos são necessários para a edificação de uma competência em informação “subversiva”? Metodologicamente, a pesquisa que resultou neste artigo é exploratória, qualitativa e bibliográfica, com cunho ensaístico. O principal resultado se pauta na ratificação do fazer a competência em informação como fazeres-outros, expandindo as formas de discutir, de ensinar e de assimilar as múltiplas formas possíveis dessa metacompetência. Conclui-se que é preciso assumir tal competência como metodologia(s) e ação(es) emergente(s) em contextos de marginalização, subalternização, luta, reexistência e resistência, contribuindo com práticas insurgentes de resistir, (re)existir e (re)viver, que possibilitam modos muito diversos de ser, existir, pensar, conhecer, sentir, ser e conviver – ou seja, como práxis fronteiriça que afronta a colonialidade do poder e as suas práticas pedagógicas (pt-BR) 3
hasAbstractInformation literacy refers, in summary, to continuous learning, being a form of self-awareness, self-guided socialization or self-denomination. It is a tool that can lead to citizens’ empowerment, self-expression and intercultural dialogue. However, depending on the nature of the social terrain, such literacy can serve purposes different from those expected in its social function. The general objective of the article is to present the theoretical assumptions for the construction of a “subversive” information literacy to the colonizing hegemonic standards, supported by decolonial pedagogy and interculturality, thus seeking to answer the following question: which assumptions are necessary for building a “subversive” information literacy? Methodologically, the research that resulted in this article is exploratory, qualitative and bibliographic, with an essayistic nature. The main result is based on the ratification of making information literacy as do-others, expanding the ways of discussing, teaching and assimilating the multiple possible forms of this metaliteracy. It is concluded that it is necessary to assume such literacy as methodology(s) and emerging action(s) in contexts of marginalization, subordination, struggle, reexistence and resistance, contributing to insurgent practices of resisting, (re)existing and (re)living, which make possible very different ways of being, existing, thinking, knowing, feeling, being and living together – that is, as borderline praxis that affront the coloniality of power and its pedagogical practices (en) 3
hasFileStorage_repository/708/2022/01/oai_ojs_revista_ibict_br_article_5750#00051.pdf () 1
hasIdCompetência em informação como forma de pedagogia decolonial e intercultural: construindo significados
RIGHETTO, Guilherme Goulart; KARPINSKI, Cezar; VITORINO, Elizete Vieira
Liinc em revista, v. 17, 2021. () () 3
SourceLiinc em Revista; Vol. 17 No. 2 (2021): Decoloniality and Information Science: dialogical pathways; e5750 (pt-BR) 3
SourceLiinc em Revista; v. 17 n. 2 (2021): Decolonialidade e Ciência da Informação: Veredas Dialógicas; e5750 (pt-BR) 3
SourceLiinc em Revista; Vol. 17 Núm. 2 (2021): Decolonialidad y ciencia de la información: Veredas de diálogos; e5750 (es-ES) 3
Source1808-3536 () 3
ThemaCompetência em Informação (pt-BR) 1
ThemaPensamento Decolonial (pt-BR) 1
ThemaPedagogia Decolonial (pt-BR) 1
ThemaInterculturalidade (pt-BR) 1
ThemaPortug (en) 1